Benditas as estrelas que Te viram pequenina!

Aquelas palavras inundaram Áurea de alegria e lhe deram força para prosseguir a viagem. E então – oh, surpresa – ela avistou o esperado planeta!

“Façam-se luzeiros no firmamento dos céus para separar o dia da noite; sirvam eles de sinais e marquem o tempo, os dias e os anos” (Gn 1, 14). Tais foram as palavras de Deus quando criou as estrelas, em cujos “ouvidos” elas ressoavam continuamente: eram o lema de suas vidas.

Nem todas, porém, moravam perto do nosso planeta; algumas estavam muito, muito longe. Uma delas, chamada Áurea, vivia a uma distância difícil de calcular. Sendo por demais pensativa, dizia consigo mesma: “Nossa missão é determinar os tempos. Mas como? Onde cumpriremos esse encargo? Aqui é tudo tão escuro… e afastado”.

Áurea percorria as galáxias alimentando essa dúvida, até que se deparou com um reluzente astro, de brilho especialmente intenso. Então, aproximando-se, interrogou-o:

— Venerável estrela, me permites uma pergunta?

— Pois não.

— A ordem divina ecoa como o ideal de nossa existência. Entretanto, não sei como obedecê-la… A quem serviremos de sinal? Que tempos marcaremos? Vivemos nesta escuridão, só entre nós… Poderias me explicar?

— Cara estrelinha, tudo no universo tem uma finalidade. No nosso caso, fomos criadas em benefício dos homens. A luz que emitimos lhes demarca os acontecimentos, e nossa presença pode significar algo de suma importância em suas vidas ou até mesmo na própria História da humanidade.

— Ah, o ser humano! Sei que foi constituído rei da criação. Quão espetacular é servirmos aos que são à imagem e semelhança do Senhor! Mas o espaço que nos separa é imenso… Que pena!

O astro respondeu:

— É verdade, e tu tens ainda um longo caminho a percorrer até te aproximares da Terra. A distância, contudo, não deve ser motivo de tristeza e sim de alegria porque, quanto maior for a demora, mais glorioso será o dia de tua chegada.

Áurea agradeceu, comovida, aquelas palavras de ânimo. Despediram-se, e cada uma continuou o seu percurso.

Com a esperança robustecida, a estrela não via a hora de chegar o dia tão ansiado. Ela corria, corria, corria… No entanto, faltavam ainda muitos anos-luz para alcançar seu objetivo.

Por ser uma trajetória demorada, havia quem desistisse a meio caminho, preferindo morrer no esquecimento a perseverar no entusiasmo. Quando Áurea sentia os primeiros cochichos da tristeza, e o desânimo batia à porta de seu coração, ela se recordava das palavras daquele experimentado conselheiro: “Quanto maior for a demora, mais glorioso será o dia”.

Certa vez, houve um providencial encontro: deparando-se com uma constelação, ficou curiosa em conhecer seus integrantes.

— Ó amigos luzeiros! Desculpai-me atrapalhar a conversa. Por acaso vosso brilho já alumiou a Terra?

Oh, sim! Foi inesquecível! – respondeu um deles.

— Somos felizes, porque brilhamos numa noite especialíssima!

— É mesmo? Qual? – perguntou Áurea.

— Estávamos nós no firmamento, quando um patriarca escutou de Deus: “Levanta os olhos para os céus e conta as estrelas, se és capaz… Pois bem, assim será a tua descendência” (Gn 15, 5). Era Abraão! Ele tentou numerar-nos, mas em vão; afinal de contas, somos muitas! Diante da inutilidade de seus esforços, ele se rendeu, elevando ao Onipotente um sublime ato de confiança.

Áurea não sabia o que dizer; tinha ficado impressionada com a narração. Agradeceu e seguiu adiante.

Já um pouco angustiada pela demora, deparou-se com outra estrela e decidiu indagar-lhe se sabia quanto tempo restava para chegar à Terra. Ao se aproximar, deu-se conta de que sua cor era acinzentada, ela não tinha claridade e uma profunda melancolia lhe marcava o semblante.

— Peço desculpas por interromper-te… Queria somente perguntar quanto me resta de percurso até…

A Terra? Não tenho boas recordações de lá…

— Não?! Por quê?

— Eu estava empolgadíssima com a ideia de difundir minha luz aos homens, mas, quando lá cheguei, presenciei uma cena abjeta: alguns deles adoravam um bezerro de ouro! O povo eleito havia renunciado ao culto do verdadeiro Deus para idolatrar uma estátua… Por isso, eu e as outras estrelas que comigo estavam perdemos nossa luminosidade; o Criador assim decidiu para castigar aquele pecado.

— Sinto muito por tua triste sorte… Que horror é ofender nosso Pai! Minha amiga, muito obrigada por revelar-me tão grandioso e pungente acontecimento. Pude entender mais um aspecto do Senhor!

— Com todo o prazer! Espero que emitas tua luz sobre aqueles que O amem verdadeiramente. Não falta muito para chegares lá. Confia e sê constante!

Áurea saiu apreensiva da conversa: “Será que assistirei à infidelidade dos homens? Oh, Senhor, livrai-me dessa desgraça!”

Aflita, continuava correndo, ao mesmo tempo que temia chegar à Terra. Em dado momento, um fulgor especial, mais radioso que os demais astros e nunca antes contemplado no universo, acercou-se de Áurea. Uma voz suave e harmoniosa fez-se ouvir:

— Continua avançando! Eis que te está reservada uma graça excelente. Mais um pouco e cumprirás tua missão!

A luz foi se extinguindo até desaparecer. Aquelas palavras inundaram de alegria a estrela e deram-lhe força para prosseguir.

E então… oh, surpresa! Áurea avistou o planeta! Ademais, pôde ouvir uma curiosa melodia. À medida que se achegava, o som tornava-se mais preciso. Dali a pouco foi possível reconhecer que se tratava de uma belíssima canção, cuja letra dizia: “Benditas as estrelas que Te viram pequenina!” Logo Áurea viu legiões de Anjos, que louvavam o nascimento de alguém muito importante.

Novamente aquela luz fulgurante e misteriosa apareceu, revelando sua figura. Era o Arcanjo São Gabriel, o qual proclamou:

Tu foste escolhida por Deus para enfeitar o céu no natalício da Santíssima Virgem Maria, a Eleita do Senhor, destinada a ser Mãe de Deus. Teu fulgor imenso, a ponto de se irradiar em pleno meio-dia, há de deleitar a Rainha do universo!

Tu foste escolhida por Deus para enfeitar o céu no dia do natalício da Santíssima Virgem Maria!

Mal terminara o Arcanjo de falar, a estrela sentiu algo novo dentro de si e sua luz se intensificou. Ela fitou a Terra: os olhinhos de Nossa Senhora estavam pousando sobre ela. O celeste mensageiro então se pôs a cantar:

— Bendita sejas, ó estrela, pois foste a primeira criatura a ser contemplada por Nossa Senhora! Eis o prêmio e a vitória dos que, até o fim, perseveram! 

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pela apresentação do artigo. Duas questões me interrogam: 1. Se o seu artigo é apenas uma revisão de uma história escrita anteriormente? Ou: 2. Se ela foi composta por você mesmo?
    Sendo sua composição, louvado seja Nosso Senhor Jesus e Vossa Mãe Maria Santíssima pela graça que lhe concedeu de escrever de uma forma tão bela. Continue a escrever.
    Senão, louvado seja Nosso Senhor e Vossa Mãe Maria Santíssima pela capacidade de encontrar e compartilhar tesouros para a leitura de todos.
    Salve Maria!

    • Salve Maria, Sr. Luís Eduardo!
      Agradecemos sua participação e seu comentário!
      De parte da redação, respondo à sua dúvida: sim, este texto foi realmente imaginado e escrito pela autora.
      É uma alegria saber que a formação recebida pelos jovens escritores dos Arautos do Evangelho vai deixando um rastro de luz junto aos leitores, com frutos de bem para as almas.
      Que Nossa Senhora o proteja, bem como sua família!
      Salve Maria!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever