Caminho, desvio e atalho

Talvez a exortação mais utilizada pelo Salvador foi: “Segue-Me”. Serviu-Se dela não só para chamar os Apóstolos – como Mateus na coletoria de impostos –, mas também para convidar o moço rico a trilhar uma nova via.

No primeiro caso, o publicano logo se alçou, abandonou a vida pregressa e convidou Jesus para um banquete. O jovem, por sua vez, preferiu fugir do chamado. O seu coração, entregue aos bens terrenos, bloqueou a avenida que conduz à santidade.

Santo Agostinho remarca que existem somente duas vias ou “cidades”: aquela em que se ama a Deus até o desprezo de si, e aquela em que se ama a si até o esquecimento de Deus. Melhor dizendo, há apenas um verdadeiro caminho, a saber, aquele que se identifica com o próprio Cristo: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14, 6). Todo o resto é desvio.

Há quem sugira que qualquer percurso de vida é válido. Se “todos os caminhos conduzem a Roma”, ao final “tudo vai dar certo”… Será?

A objeção a essa postura encontra-se na vida dos Apóstolos. Judas não só traiu o Mestre, mas também as suas vias de salvação. De fato, “melhor seria que nunca tivesse nascido” (Mt 26, 24), sentenciou Jesus. O próprio Pedro, que prometera seguir a Cristo por toda parte, mesmo que lhe custasse a vida, O renegou três vezes. Esses exemplos ilustram que a Pátria Celeste não está garantida, nem sequer para quem o Redentor convocou pessoalmente.

Embora a estrada que leva a Deus seja luminosa (cf. Sl 118, 105; Jo 8, 12), ela não exclui a dimensão ascética: “Se alguém quer vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-Me” (Lc 9, 23). Já o desvio que leva à perdição é largo e espaçoso, “e muitos são os que entram por ele” (Mt 7, 13). Parece até reto; todavia, “conduz à morte” (Pr 14, 12).

São Paulo não hesita em sublinhar que quem se desvia do chamado individual segue a Satanás (cf. I Tim 5, 15), bem como suas armadilhas. E a maior delas é a dissimulação, quando se planta joio no trigal ou se lançam sementes para fora da estrada.

Vale notar que a pior dessas sementes é lançada pelos “falsos profetas”, aqueles lobos em pele de ovelhas tantas vezes desmascarados pelo Salvador. São esses mesmos – por vezes do alto de púlpitos – que defendem que todos os caminhos são válidos. E mais: sem véus, decretam que o inferno está vazio…

Na realidade, como aponta São Bernardo, a consciência pecaminosa já é de si um “certo inferno” e um “cárcere da alma” (De quatriduo Lazari, et præconio Virginis, n.4). Com efeito, a vida iníqua constitui um inferno começado. Em contrapartida, a via da santidade, o caminho da integridade (cf. Pr 10, 9), nos faz prelibar a bem-aventurança do Céu.

Maria Santíssima é a melhor companhia para essa viagem. Afinal, Ela já a realizou de modo perfeito em sua vida e Assunção. Por isso, caro leitor, nada como ressoar em teu interior aquelas palavras do Santo de Claraval: “Seguindo-A, não te transviarás”. Eis aqui o atalho da salvação. 

Nosso Senhor chama os primeiros Apóstolos – Igreja de Santo André, Joigny (França)

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever