Coesão na diversidade

A reconciliação efetuada por Deus em Cristo encontra expressão histórica permanente na Igreja. Ela é o centro de irradiação da união dos homens com Deus e da unidade entre eles, que se afirma progressivamente no tempo.

Desde suas origens, teve a Igreja consciência da transformação efetuada pela obra redentora de Cristo e dela fez o jubiloso anúncio; por ela o mundo veio a ser uma realidade radicalmente nova (cf. II Cor 5, 17), na qual os homens redescobriram Deus e a esperança (cf. Ef 2, 12), e desde então tornaram-se participantes da glória de Deus “por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo, por quem agora recebemos a reconciliação” (Rm 5, 11).

Tal novidade é devida exclusivamente à misericordiosa iniciativa de Deus (cf. II Cor 5, 18-20; Col 1, 20-22), a qual vem ao encontro do homem que, tendo por culpa própria se afastado d’Ele, não podia reencontrar a paz com seu Criador. Essa iniciativa de Deus concretizou-se, ademais, graças a uma intervenção propriamente divina. Com efeito, não Se limitou Ele a nos perdoar, nem quis servir-Se de um homem qualquer como intermediário entre Ele e nós, mas constituiu seu “Filho Unigênito como intercessor de paz”:1 “Aquele que não tinha conhecido pecado, Deus O fez pecado por nós, para que n’Ele nos tornássemos justiça de Deus” (II Cor 5, 21). De fato, morrendo por nós, Cristo “destruiu a ata redigida contra nós, cujas disposições nos condenavam, e fê-la desaparecer, cravando-a na Cruz” (Col 2, 14); e, pela Cruz, nos reconciliou com Deus, “destruindo em Si mesmo a inimizade” (Ef 2, 16).

A Santa Igreja é o sacramento da reconciliação

A reconciliação efetuada por Deus em Cristo crucificado inscreve-se na História do mundo, que enumera ­desde então entre os seus irreversíveis componentes este fato: Deus Se fez Homem e morreu para salvá-lo. Mas ela encontra expressão histórica permanente no Corpo de Cristo, que é a Igreja, na qual o Filho de Deus convoca “seus irmãos de todas as nações”2 e, enquanto sua Cabeça (cf. Col 1, 18), é o princípio de autoridade e de ação que a constitui sobre a terra como o “mundo reconciliado”.3

Porque a Igreja é o Corpo de Cristo, e Cristo é “o Salvador de seu Corpo” (Ef 5, 23), devem todos, para serem dignos membros desse Corpo e por fidelidade ao compromisso de cristão, contribuir para mantê-lo na sua natureza original de comunidade de reconciliados, derivante de Cristo nossa paz (cf. Ef 2, 14) que “nos estabeleceu na paz”.4 […]

E como a reconciliação encontra privilegiada expressão e mais densa concentração na Igreja, esta é “como que um sacramento ou sinal e instrumento da íntima união com Deus e da unidade de todo o gênero humano”;5 em outros termos, é o centro de irradiação da união dos homens com Deus e da unidade entre eles, centro que, afirmando-se progressivamente no tempo, se completará na consumação dos séculos. […]

Correção fraterna: estímulo à santidade

Essa abertura para os outros, apoiada pela vontade de compreender e pela capacidade de renunciar, tornará estável e ordenadamente operante aquele ato de caridade prescrito pelo Senhor, que é a correção fraterna (cf. Mt 18, 15). Visto que esta pode ser feita por todo fiel a qualquer irmão na Fé, pode ela ser o meio normal de remediar não poucas dissensões ou mesmo impedir o seu surgimento.6 Por sua vez, ela impele quem a faz a tirar a trave do próprio olho (cf. Mt 7, 5), para que não seja desvirtuada a ordem da correção.7

Portanto, a prática da correção fraterna se resume num princípio de caminhada rumo à santidade, única que pode dar à reconciliação sua plenitude; não consiste esta numa pacificação oportunista que camuflaria a pior das inimizades,8 mas sim na conversão interior e no amor unificante em Cristo que dela deriva, e que se efetua sobretudo no Sacramento da Reconciliação, a Penitência, pela qual os fiéis “recebem da misericórdia de Deus o perdão das ofensas a Ele feitas e ao mesmo tempo se reconciliam com a Igreja, ferida por seu pecado”,9 desde que “este […] Sacramento de salvação […] deite raízes em toda a sua vida e os estimule a um mais ardoroso serviço a Deus e aos irmãos”.10

A coesão eclesial na diversidade de vocações

Entretanto, “no trabalho de edificação do Corpo de Cristo, há igualmente uma diversidade de membros e de funções”,11 e essa diversidade provoca inevitáveis tensões. Pode-se constatá-las inclusive entre os Santos, mas “não dessas que eliminam a concórdia, que suprimem a caridade”.12 Como impedir que elas degenerem em divisões? É dessa própria diversidade de pessoas e de funções que decorre o firme princípio de coesão eclesial. Com efeito, uma componente primordial e insubstituível dessa diversidade são os pastores da Igreja, enviados por Cristo como seus embaixadores junto aos outros fiéis, dotados para isso de uma autoridade que, transcendendo as posições e opções dos indivíduos, unifica-os todos na integridade do Evangelho, que é precisamente a “palavra da reconciliação” (II Cor 5, 19). […]

Que os sagrados pastores, do mesmo modo como representam visível e eminentemente o próprio Cristo e agem em lugar d’Ele,13 assim também O imitem e infundam no povo de Deus o amor com o qual Ele Se imolou: “Amou a Igreja e por ela Se entregou” (Ef 5, 25). E esse renovado amor sirva de eficaz exemplo para os fiéis, primordialmente para os sacerdotes e religiosos que tenham falhado nas exigências de seu ministério e de sua vocação, de modo que todos na Igreja, com “um só coração e uma só alma” (At 4, 32), se empenhem novamente em “propagar o Evangelho da paz” (Ef 6, 15).

A Igreja, nossa mãe, considera com tristeza a deserção de certos filhos seus elevados ao sacerdócio ministerial ou, a outro título particular, consagrados ao serviço de Deus e dos irmãos. Sente, entretanto, alívio e alegria pela generosa perseverança de todos aqueles que permaneceram fiéis ao seu compromisso com Cristo e com ela mesma. E, sustentada e confortada pelos méritos dessa multidão, deseja ela transformar a dor que lhe foi infligida num amor que pode compreender tudo e, em Cristo, perdoar tudo. 

Excertos de: SÃO PAULO VI.
Paterna cum benevolentia, 8/12/1974 –
Tradução: Arautos do Evangelho

 

Notas


1 TEODORETO DE CIRO. Interpret. Epist. II ad Cor.: PG 82, 411.

2 CONCÍLIO VATICANO II. Lumen gentium, n.7.

3 SANTO AGOSTINHO DE HIPONA. Sermo 96, 7, 8: PL 38, 588.

4 SÃO JERÔNIMO. In Epistolam ad Ephesios, 1, 2: PL 26, 504.

5 CONCÍLIO VATICANO II, op. cit., n.1.

6 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. II-II, q.33, a.4.

7 Cf. SÃO BOAVENTURA. In IV Sent., dist.19, dub.4.

8 Cf. SÃO JERÔNIMO. Contra pelagianos, 2, 11: PL 23, 546.

9 CONCÍLIO VATICANO II, op. cit., n.11.

10 ORDO PENITENTIÆ. Prænotanda, n.7.

11 CONCÍLIO VATICANO II, op. cit., n.7.

12 SANTO AGOSTINHO DE HIPONA. Enarrationes in Psalmos, 33, 19: PL 36, 318.

13 Cf. CONCÍLIO VATICANO II, op. cit., n.21.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever