Correio angélico

Anika serve-se de grande quantidade de alimento, mas só come uma pequena porção. O restante, leva para o quarto… O que estaria ela aprontando?

Pouco antes de o sol nascer, os passarinhos se põem a cantar, despertando o casal Ziólek para mais um dia de oração e trabalho. A plantação desses dedicados agricultores poloneses promete muito!

Quando os primeiros raios do ­astro-rei começam a iluminar a pequena casa, o Sr. Estanislau e Da. Weronika acordam os filhos. Michaela e Justina, as irmãs mais velhas, arrumam-se rapidamente e ajudam a mãe no café da manhã; Anika, de doze anos, e Estefano, de dez, auxiliam o pai nos últimos preparativos para a venda de verduras no lugarejo vizinho. Depois do desjejum todos rezam juntos o Santo Rosário, a fim de pedir a proteção de Maria Santíssima.

Terminadas as orações matutinas, o Sr. Estanislau e o caçula sobem na carroça e se dirigem ao povoado. Ali devem passar o dia inteiro, retornando somente à hora do Angelus da tarde.

Na fazenda, Da. Weronika e as filhas cuidam das hortaliças com empenho e dedicação. Anika costuma ajudar a mãe a retirar as pragas e ervas daninhas, enquanto Justina e Michaela desempenham sua função favorita: regar a plantação subindo numa alta gangorra, cuja movimentação faz a água do poço ser transportada por todo o terreno.

Embora estejam bem aplicados às fainas rurais, uma ponta de preocupação atravessa suas almas: a inconsolável falta do primogênito, Maximiliano, que há um ano partiu para defender a pátria na guerra e ainda não enviou notícias. O Sr. Estanislau e Da. Weronika tentaram obter informações sobre a situação do filho, mas em vão. “Como estará sua saúde? Terá sido ferido? Estará passando frio e fome? Quando voltará para casa? Por que não nos escreveu até agora?”, eram essas algumas das inúmeras perguntas que surgiam diariamente no coração dos Ziólek.

Apesar dessa tremenda angústia, a família não descuida em nada o cumprimento do dever. Seguem adiante, confiando em que Nossa Senhora protege continuamente Maximiliano.

Ao findar o laborioso dia, todos se dirigem ao lar para tomar a última refeição, na qual até os mínimos acontecimentos se tornam tema da conversa. O pequeno Estefano conta para a mãe e as irmãs como foi a venda das verduras; Justina e Michaela comentam com o pai o bom crescimento da plantação, graças ao tempo favorável daquele período do ano. Todos conversam e comem, menos uma: Anika.

Faz alguns meses que seus pais notam um comportamento diferente na filha. No jantar, ela se serve de grande quantidade de alimento; porém, come uma porção mínima. Se Da. Weronika pergunta por que não termina, a menina só responde estar satisfeita. E após a prece de ação de graças pela refeição, vai rápido para o quarto com o prato nas mãos.

O que fazia Anika às noites, antes de dormir? Um pedido cheio de confiança…

Naquela noite, acaba de acontecer o mesmo.

— O que estará aprontando nossa irmãzinha? – interroga Michaela.

— Certamente come às escondidas, de madrugada – responde Estefano.

— Não – conclui Justina –, deve haver alguma razão para essa estranha atitude.

Afinal de contas, o que fazia Anika todas as noites?

A piedosa e inocente criança havia montado em seu quarto um altarzinho com uma imagem de Nossa Senhora e uma estampa do Anjo da Guarda. A cada jantar, depois de comer a parte que lhe cabia, ela levava a volumosa sobra ao “oratório” e a depositava aos pés da Virgem, fazendo uma oração: “Minha querida Mãe do Céu, eu aprendi no catecismo que vosso Divino Filho e meu Deus deu a todos os homens um angélico protetor, para que cuidasse de nosso corpo e de nossa alma. Senhora, Vós sois a única que sabeis em que estado está meu irmão na guerra… Preocupa-me que talvez ele não tenha nada para comer. Sendo assim, peço-Vos: mandai o meu Anjo da Guarda levar esta refeição a Maximiliano no acampamento militar e, sobretudo, cuidai de sua alma! E vós, meu angélico e fiel amigo, entregai-lhe também minhas orações, todo o meu afeto e um forte abraço! Amém!”

Concluída a súplica, Anika dormia tranquila, pois não duvidava de que seu custódio celestial ia de imediato ao encontro de Maximiliano.

As estações se sucedem, mas nenhuma carta chega à caixa de correio dos Ziólek. O tempo da colheita está por terminar e dali a algumas semanas as novas sementes brotarão. Sendo assim, Da. Weronika passa o dia nos trabalhos domésticos com as três jovens.

De repente, ouvem o pai chegar a toda a pressa: haviam recebido a primeira carta do filho mais velho!

De repente, elas escutam chegar a carroça do pai.

— Estanislau, a essa hora e com tanta pressa?… Será que aconteceu alguma coisa? – indaga a esposa a si mesma.

O motivo só podia ser um: depois de tanta demora, afinal recebiam a primeira carta de Maximiliano!

O pai entra com a carta nas mãos. Num piscar de olhos, todos estão reunidos em torno dos progenitores para ouvirem as palavras do primogênito:

“Meus amados pais e irmãos, não sabem de quanta proteção sobrenatural tenho sido objeto, sobretudo nesse período tão difícil! A luta está árdua e a cada dia nos sobrevêm maiores perigos; contudo, em todos esses momentos sinto que as suas orações compram o amparo de Deus para mim. Fui ­ferido nos primeiros meses de batalha, mas logo pude voltar ao combate. Continuo a rezar o Rosário, como sempre fazíamos em família, para que Nossa Senhora preserve minha alma. Quanto às necessidades materiais, o Céu mesmo tem me ajudado: todos os dias um rapaz distinto, alto e luminoso me entrega uma deliciosa refeição. O curioso é que o modo como ela está preparada me lembra muito os jantares de mamãe!… Várias vezes lhe perguntei de onde era e por que praticava tal ato de generosidade comigo, mas ele apenas me sorri, sem nada responder. E parte sem deixar rastro. Penso ser ele um Anjo…”

Com essas e outras linhas, o combatente faz a narrativa de suas aventuras. Os seis estão contentíssimos. Cada trecho da missiva lhes produz uma profunda emoção. Nada se compara, porém, ao fato do rapaz que a cada dia leva a refeição para Maximiliano. Ares de mistério se espalham pela sala… Quem seria aquele personagem? Todos se entreolham confusos e só uma fisionomia permanece serena. Com humildade, Anika se recolhe interiormente e agradece ao seu Anjo da Guarda por ter atendido seu pedido. Desse modo pôde ela assistir ao irmão nas gloriosas batalhas por ele travadas. 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever