Fidelidade retilínea

Quem muito amou sua missão e, em consequência, seu povo, por ele decidiu doar sua vida. Elizabeth II tornou-se assim um modelo de dignidade, honra e grandeza, que excedeu os limites do reino britânico.

Impor-se a tarefa de redigir algo breve a respeito de personagens que cruzaram o firmamento da História quais estrelas cadentes, a um só tempo ágeis, brilhantes e encantadoras, não constitui tarefa simples; e pretender escrever linhas, curtas ou longas, sobre personalidades que, conforme considerado no artigo anterior, simbolizam a própria nação, é também empreita difícil.

Primeiro, porque se incorre com facilidade no erro de dar uma visão unilateral dos fatos que as cercaram; segundo, por serem astros de tamanho invulgar, máxime quando longevos, cuja trajetória reclama um estudo mais aprofundado. Há ainda outro risco, que merece cautela: de modo análogo ao sol que, além de iluminar, ofusca, a vida de tais homens ou mulheres excede os limites da trivialidade banal que tanto satisfaz os indiferentes; e por vezes inquieta, devido ao seu brilho.

Feitas essas ressalvas, passemos a tratar de alguns aspectos da longa trajetória de Elizabeth II, a qual encarnou os predicados de supremacia, nobreza e serenidade, como paradigma de seu povo.

“Nascemos em tempos de guerra…”

Nascida em Londres, a 21 de abril de 1926, Elizabeth Alexandra Mary tornou-se a herdeira presuntiva do ­Reino da Inglaterra em 1936, como decorrência da subida de seu pai ao trono; este o assumiu devido à abdicação do irmão, Edward VIII.

Ainda jovem, o talhe de sua peculiar fisionomia ia sendo constituído, menos bonito do que gracioso, apesar do sorriso sempre muito jovial e afável, que não escondia o peso do porvir que ela, por certo, pressentia. Nos olhos de percepção aguda, tão próprios de quem enxerga para além do que vê, acha-se o predicado de personalidades analíticas que nada deixam escapar à sua observação, extraindo delas ricas conclusões. Mas é no todo de sua fisionomia que transparece o sentido quase inato da autoridade, aliado ao senso do dever, cuja expressão mais saliente são os traços grossos de seus lábios.

Enfim, de uma natureza privilegiada pela Providência, começavam a brotar as qualidades morais que a acompanhariam ao longo de sua vida: a constância nos propósitos e a lealdade ao que está disposto corretamente.

Irrompida a Segunda Guerra Mundial, quando Elizabeth não havia ainda cumprido os quinze anos, aquele trágico contexto serviu de ocasião para a futura rainha forjar com mais profundidade seu caráter firme e decidido, conforme externou: “A minha geração nasceu em tempos de guerra. Nós somos muito resistentes”. Sem demérito algum de sua nobre condição, em tais circunstâncias, Elizabeth atuou como motorista e mecânica, sendo promovida a comandante júnior honorária, em virtude de sua alta responsabilidade, malgrado a jovem idade.

Lealdade para com o seu povo

Sua ascensão ao trono ocorreu em fevereiro de 1952, quando contava apenas vinte e cinco anos. A cerimônia de coroação deu-se em 2 de junho de 1953. Desde então, Elizabeth II fez da monarquia uma missão de vida, traçando para si uma meta de fidelidade a seu estado: “Tenho certeza de que minha coroação não é o símbolo de um poder e um esplendor que se foram, mas uma declaração de nossas esperanças para o futuro, e pelos anos que eu possa, pela graça e misericórdia de Deus, ser dada para reinar e servi-lo como sua rainha”.

Ao longo dos percalços aos quais todo chefe de Estado está sujeito, brilhariam na líder inglesa os atributos da boa diplomata, da mulher que sabe cultivar a própria inteligência e, com um olhar, consegue pôr a pessoa com a qual está tratando na posição que lhe corresponde.

As ocasiões para externar esse senso diplomático não lhe faltaram, pois o interesse pelo universo político nasceu logo nos anos iniciais de reinado, quando, semanalmente, mantinha reuniões com o primeiro-ministro inglês Winston Churchill. Por certo, dessas instruções pôde haurir boa dose do estilo genuinamente anglo de administrar, expresso pelo paradigmático estadista.

No decurso das sete décadas à frente da coroa inglesa, suas viagens oficiais como chefe de Estado chegaram a cerca de duzentas e cinquenta. Quase a totalidade dos países da Commonwealth tiveram o ensejo de receber visita tão notável. A soberana encontrou-se com dezenas de presidentes e, por vezes, viu sua história pessoal – seja como protagonista ou espectadora – confundir-se com a própria trama mundial. Ela, porém, manteve-se incólume diante de fatos como a independência das colônias inglesas na África, a Guerra Fria e a queda do muro de Berlim.

Ser mãe: “o melhor dos trabalhos”

Contudo, além de monarca, Elizabeth foi mãe. Encargo que, segundo ela, “é o melhor dos trabalhos”. Do matrimônio com o Duque de Edimburgo, Philip Mountbatten, nasceram-lhe quatro filhos: Charles, Anne, Andrew e Edward.

Nas fotos que retratam a vida familiar de Elizabeth, chama a atenção que toda a compostura que tanto lhe caracterizava em meio às solenidades e pompas da corte, nestas ocasiões não era esquecida ou menosprezada. Muito pelo contrário, elas evidenciam a integridade de sua índole, sem detrimento algum do afeto e calor maternos.

Mesmo em situações íntimas, como na de um piquenique, é notável sua limpeza, sempre exímia e impecável. Não há um fio de cabelo fora de lugar, e até quando nas dobras do vestido algo parece fortuito, dir-se-ia tratar-se de um fortuito bem estudado.

Anos conturbados

Embora a líder inglesa tivesse a preocupação de externar o equilíbrio entre polidez e jovialidade, máxime quando em público, sua vida esteve permeada de situações difíceis.

Elizabeth II fez da monarquia uma missão de vida, traçando para si uma meta de fidelidade a seu estado
À esquerda, Elizabeth II em abril de 1983; no centro, a rainha em um retrato oficial como soberana do Canadá; à direita, em 1962. No fundo, Castelo de Windsor (Inglaterra)

Segundo ela mesma afirmou, o período mais turbulento de sua existência foi o ano de 1992, definido como annus horribilis. Na ocasião, os seus filhos Charles, Anne e Andrew romperam suas respectivas uniões matrimonias, não só golpeando a monarquia inglesa, como contristando o coração da mãe.

Entretanto, esses e outros infortúnios não a abalaram. Sempre de postura erguida, dir-se-ia ser ela portadora de um condão capaz de contornar as ocorrências nacionais e pessoais com finíssima prudência.

Reverência pelo sagrado

As ocasiões para externar essa virtude tão de seu apreço verificaram-se inclusive na esfera eclesiástica, tendo ela demonstrado extremo respeito e até autêntica simpatia pelo Papado.

As fotos dos encontros com Pontífices, a começar com Pio XII, em 1951, até os nossos dias, são de grande eloquência. Longe de pretender qualquer atitude discordante com o ­Papado, ­Elizabeth II reconheceu no sucessor de Pedro o detentor de um múnus maior que o seu.

Como explicar, por exemplo, que Bento XVI, quando realizou em 2010 a primeira visita de Estado de um Pontífice ao Reino Unido desde o rompimento de Henrique VIII com a Igreja Católica em 1533, tenha sido recebido de modo tão caloroso e, ­diríamos, filial?

Modelo ímpar de dignidade

Em conformidade com a trilha que escolheu para si, unindo as vicissitudes de uma infância transcorrida em meio à guerra aos anos subsequentes que moldaram seu decidido caráter, a trajetória de Elizabeth II bem se resume no princípio por ela explicitado: “O sofrimento é o preço que pagamos pelo amor”. Efetivamente, quem muito amou sua missão e, em consequência, seu povo, por ele também decidiu doar uma vida inteira.

No epílogo de sua existência, tornou-se ela um modelo ímpar de dignidade, honra e grandeza, posto a serviço de sua nação, mas que excedeu os limites insulares do reino britânico e da Commonwealth.

Esperamos que nos umbrais da morte Deus tenha concedido a Elizabeth II as graças necessárias para abraçar a verdade íntegra e, dessa forma, ter sua alma acolhida nas moradas celestiais. Long live the Queen! 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever