“Kintsugi” e a arte do perdão divino

Em nada transparece tão claramente a onipotência de Deus quanto no ato de perdoar. Eis o mistério do amor de um Ser infinito e eterno que, ao escutar o gemido de um coração contrito, realiza o “impossível”.

Estamos acostumados ao descartável, ao prático e ao efêmero; além disso, vivemos numa sociedade que, em consequência, é cada vez mais inimiga do pulcro, do elevado e do perene. Desse modo, talvez nos seja difícil compreender uma forma de arte oriental, o kintsugi, que visa restaurar objetos despedaçados de modo a sublimá-los, afirmando assim que dos cacos decorrentes de um desastre supostamente irreparável pode surgir algo superior.

A história do kintsugi – do japonês, marcenaria em ouro – remonta ao final do século XV, quando o xogum Ashikaga Yoshimasa enviou à China duas de suas chávenas preferidas para serem reparadas. As peças de porcelana voltaram consertadas, mas com alguns grampos de metal que lhes davam aparência rústica e desagradável. Descontente, decidiu ele encomendar a empresa a artesãos japoneses.

Tão magníficos foram os resultados obtidos por estes artistas que, segundo se narra, muitos aristocratas orientais chegaram a quebrar propositalmente preciosas peças de porcelana para serem reparadas por eles. Nascia assim uma técnica de restaurar cerâmicas que se converteria em arte e atravessaria os séculos.

Consiste essa técnica em unir as peças partidas com laca urushi – proveniente da resina da árvore de mesmo nome – polvilhada com pó de ouro, de prata ou de platina. Para aplicar a laca, usa-se um pincel de kebo ou makizutsu. No final do processo a peça terá sua forma original, mas estará repleta de cicatrizes brilhantes.

Refletindo sobre essa tradição, notamos que parece existir uma série de realidades metafísicas que a certas nações pagãs foi dado intuir com maior acuidade que às do Ocidente cristão, com vistas, sem dúvida, a prepará-las para em determinado momento acolher a verdade revelada. É de fato admirável que houvesse no Extremo Oriente um povo suficientemente contemplativo e transcendente, dotado de um preclaro dom de metáforas, para perceber nessa forma de restauração um reflexo do que sucede com o homem na ordem moral, e fundar uma escola artesanal que perdura até os nossos dias.

Cicatrizes de um guerreiro

Reluzem no kintsugi vários princípios superiores. Especialmente cintilante é o da beleza das cicatrizes, algo intuitivo para uma sociedade militarizada e dotada de sumo senso de honra, que durante séculos teve como mais alto modelo a figura arquetípica do samurai, guerreiro destemido e disposto a tudo sacrificar por seu senhor.

O autêntico combatente nunca se envergonha das marcas da guerra. O que para uma estética superficial pode ser repulsivo adquire uma elevada pulcritude, de dimensão transcendente, quando analisado sob a perspectiva do valor metafísico do sofrimento em prol de um sublime ideal.

Contudo, há representado no kintsugi algo ainda mais elevado, que toca no Altíssimo.

O Divino Artesão

Comumente se representa a Deus como um artesão que modela um vaso de argila, imagem de cada ser humano. Sendo absoluta a destreza do Artista, o bom resultado da obra depende, neste caso, da docilidade do barro em deixar-se moldar.

Podemos imaginar esse Divino Artesão manuseando a mais vil matéria-prima e produzindo uma requintada peça de porcelana, ornada com belas figuras desenhadas por hábeis pinceladas de esmaltes paradisíacos. Trata-se de um jarro inigualável, uma obra de arte!

Suponhamos agora que esse magnífico vaso tenha vontade própria e decida lançar-se ao solo, estilhaçando-se em mil pedaços… Pois bem, é exatamente isso que faz o homem, trabalhado pela graça desde o dia de seu Batismo, quando resolve destruir a obra do Criador em sua alma e – por um capricho ou para satisfazer suas paixões – abraça o pecado.

Como reconstituir um vaso reduzido a cacos, a ponto de confundir-se com o pó?

Vaso japonês da era Meiji

Onipotência do perdão divino

Em nada transparece tão claramente a onipotência de Deus quanto no ato de perdoar. Eis o mistério do amor de um Ser infinito e eterno que, ao escutar o gemido de um coração contrito que se humilha e pede perdão, realiza o “impossível”.

Infinitamente mais precioso que o ouro, o Sangue do Redentor atua como uma sacrossanta “resina” para unir os fragmentos do pobre vaso e não só o restaura, mas lhe confere um novo brilho.

A alma restaurada pelo perdão divino conserva cicatrizes, mas estas serão sua glória e alegria por toda a eternidade, porque refulgirão com a inconfundível luz de quem muito amou porque muito lhe foi perdoado (cf. Lc 7, 47).

É, pois, um absurdo desanimar e perder a paz quando nos sentimos miseráveis, ainda que por infelicidade tenhamos cometido um pecado mortal. Tão magnífica resulta a obra operada por Deus ao derramar seu perdão que, como a dos artesãos japoneses, ela supera o estado original. Daí se entende o comentário tantas vezes repetido por Mons. João Scognamiglio Clá Dias em suas pregações: se por absurdo pudéssemos pecar sem ofender a Deus, como desejaríamos fazê-lo só para receber seu perdão!

Essa verdade deve nos encher de ânimo invencível, sobretudo ao considerar que, quando se trata de restaurar por completo uma alma, Deus confia tal obra à divina Artesã, Maria Santíssima. Amparo e refúgio dos pecadores, Ela aplica o ouro de sua misericórdia mesmo sobre aqueles que sequer sabem pedir perdão e, para isso, impõe apenas uma condição: que se abandonem em suas mãos maternais. 

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Sublime o artigo relacionando a milenar técnica do Kintsugi e o perdão de Deus!. A redação nos faz ver como, apesar de nossas próprias falhas, feridas e pecados, podemos tocar no Altíssimo pedindo perdão por eles!. A partir desse momento já não devemos esconder nossa fraqueza com vergonha, mas passam a ser cicatrizes de um guerreiro que, depois de caído, se pôs em pé e voltou ao combate!. Assim como a porcelana quebrada, que parecia destinada a ser jogada no lixo, fica depois “adornada” pela laca restauradora, igualmente nossas almas ficam reparadas, mas com um brilho adicional. Como curiosidade: os japoneses orgulhosamente mostram essas peças nas quais a quebra e o reparo constituem “a história particular” dessa peça no lar. Parabéns!

  2. Fiquei emocionado ao ler sobre o Kintsugi e aplicar à situação atual da nossa Santa Madre Igreja. Por mais que “estilhaçando-se em mil pedaços”, – doutrina, tradição, respeito ao sagrado,…- quando Deus, por intermédio de sua Mãe Santíssima aplicar o Kintsugi e restaurar sua Igreja, ela será ainda mais bela, mais luminosa e mais santa do que antes!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
9,148SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever