Novos céus e nova terra

A sinfonia da criação inicia-se com um solene introito: “No princípio, Deus criou o céu e a terra” (Gn 1, 1). Conforme o relato bíblico, cada trecho dessa divina melodia era bom; só o seu conjunto foi considerado ótimo, ou seja, o céu e a terra apenas atingiram a perfeição quando unidos entre si.

No Paraíso, Adão e Eva gozavam da harmonia com o Criador. Com o pecado original, porém, o homem volveu-se para a terra, obrigado a trabalhá-la com o suor do rosto, e para ela tornaria como pó. A história do Antigo Testamento percorre, em diversos ritmos, o constante estribilho do homem em busca de sua consonância original, lutando contra as cacofonias cotidianas.

Já nos filhos do primevo casal se vislumbra tal dualidade: Caim ofereceu frutos podres da terra, enquanto Abel apresentou as primícias de seu rebanho, à maneira de incenso elevado ao trono do Altíssimo. Depois o mundo soterrou-se tanto no pecado, que Deus decidiu purificá-lo com o dilúvio. Noé, por sua fidelidade, tornou-se o varão-hífen da promessa, simbolizada pelo arco-íris, elo que unia o céu e a terra. A Torre de Babel, por sua vez, foi a tentativa frustrada da humanidade de se alçar por forças meramente materiais.

Em Abraão, o Senhor restaurou mais uma vez a aliança. A seu neto Jacó foi concedido contemplar a angélica escada que se erguia ao Senhor. Em Moisés, o Onipotente reforçou o pacto com o povo eleito. De Elias se pontua que de tal maneira vivia as realidades do alto, que desta terra mereceu ser arrebatado…

A Encarnação do Verbo rompeu definitivamente as fronteiras entre o Céu e a terra. De fato, como comentam Santo Atanásio e outros Padres da Igreja, Deus Se fez Homem para que o homem se fizesse deus.

Os demônios, porém, não desistiram de lançar os mortais nos abismos infraterrestres, isto é, no inferno. Por isso, na vida pública de Jesus procuravam eles impedir – por doenças, possessões, vexações – o encontro dos homens com o Senhor. Até hoje, a tática diabólica não é muito diferente…

Entretanto, a missão de Jesus não se concluiu com a Redenção. A sua consumação ocorrerá na plenitude dos tempos, quando n’Ele se reunirão “todas as coisas, as que estão nos Céus e as que estão na terra” (Ef 1, 10). E, para tal, o Senhor nos legou três extraordinários auxílios: Maria, a Eucaristia e a Santa Igreja.

Nossa Senhora é a Medianeira por excelência, a Arca da Nova Aliança, cujos esplendores foram manifestados pela Assunção e por diversas revelações privadas. O “Pão do Céu” é propriamente comunhão, que desce do alto para que toda a criação seja reapresentada ao Pai (cf. CCE 1359). Por fim, à Igreja foram confiadas as chaves que ligam e desligam tudo na terra e no Céu (cf. Mt 18, 18).

Nessa perspectiva, celebramos no dia 15 de agosto o natalício de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, fundador dos Arautos do Evangelho, que escolheu justamente como pilares de sua espiritualidade os três auxílios supramencionados. Nesta data, a instituição só pode augurar que a sua missão seja cumprida o quanto antes em plenitude, por meio de um renovado abraço entre o Céu e a terra (cf. Ap 21, 1), isto é, a restauração da completa harmonia na sinfonia da criação, que manifeste toda a sua beleza e consonância com o Criador. 

 

Mons. João Scognamiglio Clá Dias, fundador dos Arautos do Evangelho

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,600,460FãsCurtir
103,000SeguidoresSeguir
8,500SeguidoresSeguir
253,000InscritosInscrever