Peregrinando dentro de um olhar

Ao tomar contato com a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima que derramara milagrosas lágrimas em 1972, Dr. Plinio elevou um cântico de amor e admiração cuja unção marcou quantos o conheceram.

Fisionomia igual não conheço. Tenho-a bem diante de mim e, movido pelo hábito inveterado de tudo observar e explicar para meu próprio uso, fito-a com atenção. E de repente percebo que entro dentro dela.

Sim, essa fisionomia única como que deflui da face e especialmente dos olhos. Envolve-me no ambiente que ela cria. Ao mesmo tempo, convida-me a entrar fundo no seu olhar.

Que olhar! Nenhum é tão límpido, tão franco, tão puro, tão acolhedor. Em nenhum se penetra com tal facilidade. Contudo, nenhum também apresenta profundidades que se perdem em tão longínquo horizonte.

Quanto mais dentro desse olhar se caminha, tanto mais ele atrai para um indescritível ápice interior e profundo.

— Que ápice? – O estado de alma que eu seria tentado a dizer cheio de paradoxo, se a palavra paradoxo, da qual tanto se abusa na linguagem corrente, não me morresse nos lábios por desrespeitosa.

Toda perfeição – diz a Escola – resulta do equilíbrio de contrários harmônicos. De nenhum modo é um equilíbrio precário entre contradições flagrantes – e, dizendo-o, penso nesta pobre paz, esclerosada e vacilante, que o mundo contemporâneo procura preservar à custa de tantas concessões e tantas vergonhas –, mas uma harmonia suprema entre todas as formas de bem.

É precisamente este vértice, no qual todas as perfeições se conjugam, que vejo erguer-se no fundo desse olhar. Vértice incomparavelmente mais alto do que as colunas que sustentam o firmamento. Vértice do alto do qual um imperativo cristalino, categórico, irresistível exclui toda forma de mal, por mais leve e miúdo que seja.

Pode alguém passar a vida inteira caminhando dentro desse olhar, sem jamais tocar nesse vértice. – Caminhada inútil? – Não. Dentro desse olhar não se anda; voa-se. Não se passeia; faz-se peregrinação.

Aquela montanha sagrada, súmula de todas as perfeições criadas, o peregrino, sem jamais alcançá-la, cada vez a vê mais claramente à medida que voa em direção a Ela.

Ao longo desta peregrinação da alma, o olhar no qual voa já não o envolve, apenas. Mas penetra nele. Quando o peregrino cerra os olhos, julga vê-lo à maneira de luz no mais profundo de si mesmo. Tenho a impressão de que, se durante toda a vida ele for fiel nesse voo, quando cerrar definitivamente os olhos, esta luz brilhará no fundo de sua alma por toda a eternidade.

O olhar é a alma da fisionomia. – Que fisionomia essa, que tenho diante de mim! A um tolo, pareceria inexpressiva. A um observador destro ela manifesta uma plenitude de alma maior do que a História, porque toca na eternidade. Maior do que o universo, porque espelha o infinito.

A fronte parece conter cogitações que, a partir de um presepe e a terminar em uma Cruz, abarcam todo o acontecer humano.

A face toda, o nariz, cuja linha possui um charme “mais belo do que a beleza” segundo diz o poeta, os lábios silenciosos, mas que dizem tudo a todo momento, parecem louvar a Deus em cada criatura segundo as características de cada uma; e pedir a Deus por toda miséria como se estivesse a condoer-se das peculiaridades de cada uma delas… Estes lábios têm uma eloquência perto da qual a de Demóstenes ou a de Cícero não seriam senão barulheira. – O que dizer da cútis: nívea? – O qualificativo diz tudo e não diz nada. Pois, para descrevê-la seria preciso imaginar um níveo que deixasse reluzir em sua profundidade, com discrição infinita, todos os matizes do arco-íris, e com isso mesmo inspirasse na alma de quem a contempla todos os encantos da pureza.

Sim, peregrinei neste olhar tão cheio de surpresas. E, inesperadamente, percebo que o olhar peregrina ao mesmo tempo dentro de mim. Pobre e misericordiosa peregrinação, não de esplendor a esplendor, mas de carência a carência, de miséria a miséria. É só abrir-me a ele que, para cada defeito, ele me oferece um remédio, para cada obstáculo uma ajuda, para cada aflição uma esperança.

Mas, afinal, quem tenho diante de mim? – Uma imagem de madeira como tantas outras, sem nenhum valor artístico especial.

É só fitá-la, entretanto, que, sem mover-se, sem a mínima transformação, essa imagem começa a fazer luzir todos esses esplendores.

— Como? – Não sei também. É a imagem de Nossa Senhora de Fátima, a qual verteu lágrimas em Nova Orleans,1 a propósito dos pecados dos homens e dos castigos que estes assim acumulam sobre si.

Por toda parte onde vai, a imagem atrai multidões. Insisto, leitor. Se crês na descrição que fiz, convido-te a que faças por tua vez esta magnífica peregrinação dentro do olhar da Virgem.

Reza então por ti. Reza pela Santa Igreja conturbada e atormentada como nunca. E por esse enorme Brasil de Maria.

Extraído de: Folha de São Paulo.
São Paulo. Ano LVI. N.17.389
(12 nov., 1976); p.3

 

Notas


1 Em julho de 1972, uma imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima esculpida sob a orientação da Ir. Lúcia, vidente das aparições, verteu lágrimas por treze vezes na cidade de Nova Orleans, Estados Unidos. No dia 21 do mesmo mês, a Folha de São Paulo estampava uma impressionante fotografia da imagem em cujos olhos se podia distinguir com nitidez o brilho das lágrimas, uma das quais já pendia da ponta do nariz, prestes a cair. Tal fato foi o início de um relacionamento intenso de Dr. Plinio com essa representação de Nossa Senhora que, a partir daquele momento, ele passaria a chamar de Sagrada Imagem.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Do mesmo autor

Artigos relacionados

Redes sociais

1,644,769FãsCurtir
125,191SeguidoresSeguir
8,989SeguidoresSeguir
308,000InscritosInscrever